Qual imagem sua empresa está deixando na internet?

Editorial aboutCOM

Você já digitou o nome da sua empresa no Google hoje? Caso não, faça isso antes mesmo de seguir lendo esse post e veja se o conteúdo que encontra lhe satisfaz. Esteja ele nos seus próprios canais, nas redes sociais ou nas notícias que saem na imprensa. Feito isso (e, principalmente, se você não ficou feliz com o que viu), reflita sobre a imagem que sua companhia anda deixando na internet. A primeira coisa que você precisa saber é que o que você viu é diferente do resultado de buscas que outras pessoas terão em seus computadores. Isso torna a situação ainda mais complexa e delicada (dependendo das histórias que andam sendo compartilhadas sobre seu negócio).

Continuar lendo

O tal H2H no universo B2B

por Flavia Sobral (publicado originalmente no AdNews)

A H2H ou Human to Human é a nova expressão da vez do universo da comunicação. Prova disso, é que vemos cada vez mais empresas dando mais foco em divulgar suas causas, do que efetivamente, sua marca. Um exemplo disso é o movimento que vimos em Junho, mês da diversidade sexual, e a enxurrada de novos produtos no mercado, e anúncios, coloridos. Uma pesquisa feita pela Hornet/Nielsen, mostrou que as propagandas feitas para o público LGBT+ são até mais efetivas que as demais, já que as pessoas passam a ver aquela determinada marca como ‘inclusiva’.

No mês de março, também vimos diversas matérias sobre o papel das mulheres nas organizações e como nós estamos ganhando espaço no universo corporativo, reconhecidamente liderado por homens. Todas essas iniciativas são, de fato, muito importantes para reconhecer frentes notadamente minoritárias no mercado e na sociedade. Mas, um questionamento que tenho feito recentemente é como todas essas ‘causas’ e o apoio a elas, conversam com o universo B2B. Especificamente, aquele em que atuo, o de tecnologia. Será que todas as empresas precisam abraçar todas as ‘causas’?

No passado, fiz o mesmo questionamento sobre o storytelling. Afinal de contas, qual é a novidade no H2H, já que desde que iniciamos as relações comerciais, damos preferência àquelas marcas que, de alguma forma, nos incluem em suas comunicações ou em nelas, aquilo em que acreditamos?

As relações entre as pessoas são fundamentais para a sobrevivência de negócios, inclusive do B2B. Mas é importante que as ‘causas’ certas sejam abraçadas. O que está mudando, pelo que vejo, é a forma de contar as histórias – ou para quem contá-las. É preciso criar empatia.

Enquanto antes comunicávamos sobre soluções de tecnologia e o que elas eram capazes de fazer, hoje falamos sobre o impacto que a adoção dessa mesma tecnologia tem sobre a vida e o dia a dia de quem tem acesso a ela. Por exemplo, a Orange Business Services, lançou uma solução de IoT (Internet das Coisas) que está sendo usada na coleira de animais domésticos para que eles não se percam ou mesmo, para encontrá-los em caso de fuga. Com ela, é possível rastrear o seu animalzinho em qualquer localidade na qual a Orange está presente – mais de 220 territórios. O que importa nesse caso, não é a solução em si – que sim, é parruda e baseada em uma suíte inovadora de tecnologias de IoT, desenvolvidas por um laboratório especializado – mas que o meu cãozinho, que anda sem coleira pelo bairro, não vai ‘se perder’ ou fugir, ou ainda, ser levado por terceiros. O que é isso, senão a humanização da história?

E a empatia também se traduz no H2H. Esse mês lançamos um case na aboutCOM de uma ferramenta que estamos disponibilizando para os nossos clientes, que traz para eles as notícias de seus potenciais compradores. Um dos executivos entrevistados para a produção desse material, chegou a nos dizer que usa essa ferramenta para abordar o cliente “com a mesma frase que ele mesmo usou para descrever a sua necessidade”, e essa forma de empatia tem trazido resultados de negócios importantes para eles.

No fim do dia, a tal comunicação H2H pode não ser nenhuma novidade, mas, assim como o storytelling à sua época, traz luz a uma discussão importante e cada vez mais valorizada nos dias de hoje: “afinal, o que isso tem a ver comigo”?

Entenda por que o B2B precisa de uma estratégia de comunicação tão humana quanto o B2C

Editorial aboutCOM

A expressão Human to Human (ou H2H) têm se popularizado no Brasil com o objetivo de (re)lembrar o mercado de que quem toma decisões de compra, consumo e negócios são pessoas, mesmo que representando uma instituição – seja ela B2C ou B2B. O que isso significa? Que o acontece hoje é que boa parte da população não se vê identificada por campanhas ou comunicações com as quais são impactadas e isso interfere na sua decisão de compra, uma vez que a mensagem ou o formato que chega até elas não condiz com seus valores ou visão de mundo. Em outras palavras: não dialoga com o seu jeito de ser.

Voltando no tempo, em 1920, Edward Bernays, sobrinho de Freud e pai das relações públicas nos Estados Unidos, tornou-se o mestre da empatia no ambiente corporativo ao entender que a maneira mais eficaz de aproximar um potencial público de uma marca é investigar a fundo suas emoções e desejos. Suas campanhas eram sempre baseadas em harmonizar o propósito de marcas com vontades expressas (ou ainda não) de seus stakeholders por meio de um mergulho em seus modos de ser e agir. Por esse fator histórico, já é possível perceber que o humano sempre foi a matéria-prima de toda estratégia de comunicação e relacionamento.

A segmentação de públicos, targets, mercado e toda a tecnologia envolvida nesse processo é muito importante para as estratégias, mas a proximidade e o conhecimento do comportamento das pessoas e da experiência que buscam precisam ser considerados com o mesmo peso dos dados no momento da definição de campanhas de marketing, comunicação e vendas. A partir desse contexto, desenvolver boas narrativas nunca foi tão importante para gerar valor em uma conversa.

Como uma empresa de tecnologia pode gerar valor e conexão?

O episódio Hang the DJ, da série Black Mirror, mostra os protagonistas com um app que promete calcular, com antecedência, as chances de afinidade e atração por uma pessoa, diminuindo o risco da rejeição. A tecnologia aqui parece como uma aliada para combater um dos maiores medos do ser humano, mas, olhando por outro lado, nesse formato impossibilita as pessoas de experienciar a própria vida, que é o que acontece com os personagens e causa sua revolta. Nesse contexto, a tecnologia diminui consideravelmente o desenvolvimento da sensibilidade humana para a criação de relações e o livre arbítrio de se construir seu próprio caminho e o torna refém de probabilidades.

Em 2017, ganhamos um bom exemplo de como a tecnologia pode influenciar o dia a dia das pessoas. Por meio de inteligência artificial, a gigante da tecnologia IBM resolveu mostrar ao público em geral o potencial de uma de suas soluções ao criar o projeto “A Voz da Arte” e utilizar o Watson para interagir com os visitantes conversando, sobre as obras expostas na Pinacoteca de São Paulo. O sistema cognitivo da IBM foi alimentado com informações sobre autores, curiosidades, histórias, entre outras, para que o público pudesse questioná-lo sobre quadros e esculturas presentes no local, tornando a visita mais interessante e acessível para todos.

Repare como essa ação da IBM conciliou seu propósito com o interesse das pessoas. Tornou seu negócio mais tangível para milhares de visitantes que estiveram ali e que esse ativo responde às estratégias de comunicação, marketing e negócios porque traduz seu modo de pensar e agir de forma acessível para todos. Diretamente, aproxima mais gente do seu negócio e, para o mercado B2B, ganha mais visibilidade e conexão com seu decisor de compra, que vê em projetos como esse seus valores pessoais representados. Seu jeito de enxergar o mundo, indo além de dados, conectando com seus interesses como ser humano.

Outro case interessante é o da Orange Business Services, que possui uma plataforma de comunicação integrada para navios. Ela conecta frotas no mar aos escritórios em solo. Além de todo o apoio dado ao negócio, como aumento da eficiência da frota e redução de custos, melhora a experiência das equipes embarcadas, pois possibilita que tenham banda larga e consigam manter a comunicação com seus familiares e amigos, mesmo passando dias (para alguns, meses) no mar. Num mundo em que não existe mais comunicação interna ou externa e colaboradores são o espelho da sua marca para o mercado (como está a avaliação da sua empresa na Love Mondays?), se preocupar com as relações que constrói com ele, significa entender suas necessidades também quando está sem o crachá.

Lawrence Chung Koo, Professor Doutor e Pesquisador em Inteligência Artificial na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, disse uma vez que “toda robótica é baseada no que o homem fazia”, mas se tem uma coisa que talvez ela não consiga fazer é construir essa tal relação H2H da qual tanto se fala hoje.

Hitachi Vantara gera leads de negócios com o serviço de monitoramento de mídia inteligente da aboutCOM

Editorial aboutCOM

Já está mais do que provado que o monitoramento de mídia de uma empresa e de seus concorrentes é fundamental para direcionar os negócios e adequar a comunicação com o público-alvo. Mas como ir além dos serviços de clipping tradicionais para gerar mais leads de negócios?

Pensando nisso, a aboutCOM criou um serviço de monitoramento de mídia inteligente, batizado de Marketing Intelligence Service. Basicamente, ideia é usar a ferramenta de clipping tradicional de forma personalizada e a favor da empresa, oferecendo uma lista diária com informações dos principais investimentos de clientes e prospects, de acordo com a área de interesse. “Com essa visão, o executivo de vendas pode iniciar conversas com mais propriedade, identificar novas oportunidades de negócios e ter insights para orientar o seu planejamento”, diz Flavia Sobral, CEO da aboutCOM

Hitachi Vantara utiliza serviço com sucesso na América do Sul e México

A Hitachi Vantara é um dos primeiros clientes a utilizar a ferramenta. Diariamente, a empresa tem à mão informações dos investimentos em tecnologia da informação de seus clientes e prospects. Segundo Fernando Cittadino, executivo de vendas da Hitachi Vantara, com esses dados os profissionais têm a chance de serem mais assertivos em suas discussões de negócios. “Sabemos quais são as necessidades declaradas dos nossos clientes. Isso traz mais credibilidade à nossa abordagem”,  completa.

O serviço foi criado para atender algumas necessidades específicas da Hitachi Vantara. Isso porque a companhia tem uma visão clara de quais são empresas com quem fazer novos negócios, mas, de alguma forma precisava monitorá-las para entender melhor a necessidade de cada uma delas.

Hoje, a aboutCOM monitora as notícias de mais de 40 companhias no Brasil e mais de 90 na América Latina (Cone Sul e México), utilizando as palavras chave dos serviços oferecidos pela Hitachi Vantara, como IoT, big data e analytics.

“Fazemos um clipping de tudo que sai na mídia sobre essas empresas com tags relacionadas aos assuntos chave. Lemos todas as notícias e selecionamos só os assuntos relacionados à tecnologia da informação que possam gerar leads e informações relevantes para os executivos da companhia. Essas notícias são empacotadas em uma newsletter enviada diariamente”, acrescenta Flavia. O serviço é utilizado pela companhia em toda América do Sul e México.

As matérias e dados coletados também são inseridos em plataformas de vendas, como SalesForce, por alguns executivos da companhia com o objetivo de identificar os leads de negócios. Henrique Leite, consultor de soluções da Hitachi Vantara, acrescenta que a solução permite entender e correlacionar com mais facilidade as demandas de negócios de seus clientes. “Vejo com muita relevância esse serviço diário de informações. Ele permite preparar um discurso muito mais direto e coerente”, finaliza.

 

Projetos pontuais X Projetos recorrentes de comunicação: qual caminho seguir?

Editorial aboutCOM

É fato que uma estratégia de disseminação de conteúdo bem-feita amplia a visibilidade de uma empresa junto ao seu público-alvo. Mas, para ter resultados eficientes, tanto na mídia quanto no mercado, é fundamental ter um plano de comunicação recorrente e de longo prazo. Dificilmente, um trabalho de comunicação apenas pontual trará o resultado esperado.

Um projeto recorrente feito em conjunto com uma consultoria de comunicação auxilia na geração de um relacionamento de qualidade da empresa com a mídia, e consequentemente, inserções de notícias espontâneas (em revistas, sites e blogs). Nesse contexto, é possível fazer uma análise aprofundada da companhia para entender quais são os assuntos que podem gerar notícias e como tratá-los nos diferentes veículos de comunicação e suas editorias.

Muita gente não entende muito bem como os projetos de comunicação funcionam e acredita que uma ação de divulgação pontual pode ser suficiente para engajar a audiência. “Num job ou num projeto pontual é impossível construir um relacionamento com o público de interesse e, o mais importante, esse modelo não estabelece uma estratégia de divulgação dos conteúdos”, comenta Flávia Sobral, CEO da agência de comunicação aboutCOM.

Para encontrar a forma correta de divulgar as notícias de uma empresa é preciso definir os melhores canais de comunicação com o público-alvo e desenvolver um relacionamento de fidelização a longo prazo. Nesse contexto, entram em cena trabalhos de pesquisa de mercado para oferecer conteúdos direcionados e atrair um maior número de interessados – toda a estratégia deve ser desenvolvida de acordo com as necessidades de cada canal de comunicação, tanto para o mercado, quanto para a imprensa. É preciso mapear os temas que estão em destaque e montar um perfil direcionado para cada mídia ou mercado, com uma linguagem impactante e atrativa.

Numa estratégia de comunicação recorrente é possível ainda reconhecer boas oportunidades para divulgar a empresa – em projetos pontuais, isso fica em segundo plano.

Enfim, projetos de comunicação recorrentes permitem estabelecer uma imagem de longo prazo de uma companhia com o seu mercado. Esse tipo de trabalho também é bem mais interessante do ponto de vista financeiro, já que as mensalidades são mais atrativas. “Uma divulgação pontual tem um custo maior do que um fee recorrente. Isso porque cada vez que uma empresa quer divulgar algum conteúdo é preciso envolver uma equipe maior e gastar muito mais tempo para entender o seu negócio, o contexto da notícia, entre outras ações”, finaliza Flavia.

O passo a passo para um folow up estratégico

por Natália Diogo

Os jornalistas hoje recebem uma quantidade quase infinita de e-mails por dia. Faça o teste: quando estiver em contato com um colega de redação, pergunte a ele a média de press releases que entra em sua caixa diariamente – provavelmente ele responderá que a quantidade ultrapassa 200 ou 300 títulos.

Ainda devemos considerar que caixas de e-mail lotam quando o profissional passa alguns dias ausente, remetentes vão para o lixo eletrônico. E, entre tantas informações, simplesmente alguns textos não geram aquele interesse esperado. Por isso tudo, o contato telefônico é fundamental.

Abaixo, separamos alguns conselhos para um follow up estratégico, que ajudará a construir um relacionamento efetivo com as redações.

Ofereça o conteúdo certo

Follow up bem feito é valorizado pelo jornalista, e a hora certa de fazer esse contato é quando temos entrevistas exclusivas, dados em primeira mão, artigos enviados apenas para aquela publicação ou mesmo press releases gerais, mas que caem como uma luva para aquele determinado veículo. Jornalistas percebem quando um conteúdo fraco foi enviado massivamente para um extenso mailing e não recebem bem follow ups sobre estes temas.

Entenda do assunto

Durante um follow up, o mais importante é ser direto, informar dados consistentes e que façam o jornalista antever o resultado daquele material quando publicado. O contato por telefone é uma forma de selecionar os dados mais importantes de uma pauta e direcionar a atenção do jornalista para eles.

Estar seguro das informações que está passando e saber explicar o negócio do cliente de forma plena, são maneiras de impressionar e prender a atenção do jornalista naqueles poucos minutos que ele tem à disposição. Não vale só perguntar se recebeu o texto.

Entenda do veículo

Conhecer bem a mídia antes de ligar é uma boa maneira emplacar uma pauta. Dessa forma, o assessor pode direcionar o conteúdo para a editoria correta e fazer com que o material esteja com a pessoa adequada.

A pauta deve ser de real importância para o veículo, não adianta tentar forçar um tema que não se adequa, o jornalista pode até sugerir ao editor, mas não passará por seu crivo e desgastará o nome do assessor internamente.

Informe-se

Se não souber se a pauta é exatamente o foco do veículo, antes de enviar pesquise, peça a opinião dos colegas mais experientes na assessoria, em último caso, vale até perguntar ao jornalista. Eles são bastante receptivos à pergunta “o que te interessa mais receber?”

Horário para ligar

Não se deve ter medo de falar com a redação, mas também deve-se ter bom senso. Não adianta, por exemplo, ligar em um jornal diário de grande circulação às 5h da tarde, pois os jornalistas não estarão disponíveis ou atenderão acreditando que você está com a pauta mais quente do mundo em mãos, o que pode não ser o caso. Isso decepcionará o seu contato e ele provavelmente estará menos apto a te ouvir nas próximas vezes.

Uma dica é perguntar ao jornalista se ele está ocupado no início da ligação e qual o melhor horário para te atender. Alguns geradores de mailing também possuem uma coluna nas planilhas de Excel com “período de fechamento”, ajudando a saber quando não telefonar.

Crie um relacionamento

Seja simpático, não pareça um robô ou um funcionário de telemarketing ao ligar. As pessoas apreciam educação. Ao mesmo tempo, não demonstre uma intimidade falsa ou inexistente com um jornalista que acabou de conhecer. O ideal é sentir como o profissional age e tentar ser condizente com o comportamento dele.

Não desista

E o mais importante, insista! Muitos profissionais recebem tantos e-mails e ligações que não lembrarão de você no primeiro momento, vale tentar uma segunda ou até terceira ligação. No entanto, também é importante não vencer o profissional pelo cansaço, pois pode gerar entrevistas e reportagens mal aproveitadas. Caso tenha percebido que o jornalista não te deu a real atenção numa segunda ligação, às vezes é hora de mudar de contato.

Sem contar o fato de que a assessoria de imprensa e o profissional se tornarão conhecidos e bem vistos nas principais redações, o follow up efetivo é, principalmente, um importante canal de comunicação das assessorias de imprensa com os jornalistas.

Se o contato for bem feito as chances de uma pauta ter sucesso são muito maiores. Além disso, o contato constante e a construção do relacionamento ajudam a tornar o jornalista fiel a seu cliente, o que irá fazê-lo te procurar sempre que necessário – gerando uma parceria duradoura e de qualidade e, claro, frutos.

Em tempos de compartilhamento exacerbado e rápido, a estratégia de comunicação é a arma mais poderosa

Responder a uma reclamação sem critério e participar de moda da internet podem ser tiros no pé

por Editorial aboutCOM

Nada de tiros, bombas ou tratados. A guerra de hoje é sobre informação, compartilhamento e rapidez. Ganha quem postar mais rápido, independentemente da qualidade do conteúdo. Se está em um show, filma; se viajou, bombardeia seus seguidores com fotos; se terminou um projeto importante, faz um post dizendo que está orgulhoso do seu trabalho; se leu um título interessante de matéria, compartilha com os amigos. Não existe mais a máxima do “dois pesos, duas medidas” em um tempo quem que fatos e factoides se misturam. Compartilha-se pelo simples fato de dividir todas opiniões e acontecimentos, sem avaliar as fontes e a veracidade, tornando-se apenas replicadores de assuntos falsos ou verdadeiros.

Fica evidente a falta de interesse pela qualidade da informação. Passa a ser suficiente informar o mais rápido possível, mesmo que seja um conteúdo raso ou falso, sem o bom senso de questionar sua veracidade. Esse “mal moderno” não assombra somente a sociedade, mas atinge também o mundo corporativo. E é nesse cenário que algumas empresas podem arruinar um trabalho de anos ao compartilhar mensagens falsas, preconceituosas ou vazias, somente para fazer parte de uma onda descolada da internet, de algo que se tornou um assunto comentado nas redes sociais.

É importante entender que a estratégia de comunicação de uma companhia é semelhante ao de um jogo de xadrez, no qual cada movimento deve ser estudado e calculado, pois um erro pode colocar tudo a perder. E, lembre-se: dentro do mundo corporativo derrotas podem ser bem dolorosas.

Nesse contexto é necessário apostar em uma boa estratégia de comunicação, que consiste em saber responder on time questões que valem a pena ser respondidas e compartilhadas e ignorar as que não são, mesmo que sejam fenômeno nas redes sociais. Afinal de contas, se preocupar mais em compartilhar do que na consequência do compartilhamento pode ser uma armadilha, principalmente entre os executivos que trabalham com a imagem e a reputação de empresas.

Entender o tom de voz que a companhia quer adotar, de que forma quer se comunicar, e com quem,  é determinante para definir quais serão as mensagens que poderão ser passadas para os clientes e colaboradores. E tudo isso deve ser planejado com antecedência, independentemente das modas que surgem no mundo digital. Com esse entendimento, fica claro qual onda a empresa pode surfar e quais ela deve evitar, o que minimizará possíveis problemas de comunicação no futuro.

A comunicação requer calma

Quando a  estratégia de comunicação conta com as ferramentas certas e uma boa base, fica muito mais simples saber o que vale comentar e o que deve ser ignorado nas redes sociais. A comunicação de uma empresa não pode ser feita por impulso. É importante ter equilíbrio e saber quando reagir e se é preciso responder de imediato a uma acusação ou reclamação.

Postagens de funcionários ou colaboradores em seus perfis particulares podem comprometer a imagem da empresa também. Incluir advertências e orientações dentro da estratégia de negócio pode ser o melhor caminho para evitar a ruína de uma marca e de um colaborador, que pode ser demitido por justa causa por uma postagem errada.

O mundo corporativo sofre do mesmo mal das pessoas físicas quando o assunto é compartilhamento na rede, portanto, determinar uma estratégia de comunicação eficaz pode determinar se uma empresa se tornará vencedora nessa guerra ou se acabará com uma bomba nas mãos.

 

1, 2, feijão com arroz – e uma pitadinha de temperos exóticos

Sempre falamos que ‘fazer o básico’ direito é fundamental na estratégia de um cliente. Mas, em tempos de espaços tão disputados, também é necessário ir além

Editoral aboutCOM

A escolha de uma agência de comunicação pode ser um processo complexo para muitas empresas – é preciso olhar com cuidado para a experiência das agências e suas respectivas equipes, para o contato com a mídia e com o setor em que atuam e para as ideias que são apresentadas como o diferencial de cada uma. Sempre dizemos por aqui que ‘cada panela tem sua tampa’ e existe sim a melhor agência para atender cada tipo de conta.

O básico, o feijão com arroz, tem que ser levado em consideração. Seu atendimento tem que saber divulgar um release (selecionar o melhor veículo, escrever da melhor forma), ‘vender’ uma pauta, fazer um follow up inteligente. Mas o ‘ir além’ também é imprescindível. Fazer reuniões para troca de ideias, dar tempo para a criatividade aflorar, fazer brainstorming. Esses dois lados, quando bem executados, levam ao sucesso uma parceria de comunicação e fazem dela algo realmente eficaz.

Vale lembrar que o equilíbrio é muito importante – é fundamental fazer o básico direito e emplacar ideias inovadoras. Ninguém sobrevive só de inovação e soluções mirabolantes e o trabalho do dia a dia ajuda bastante a melhorar o relacionamento da sua empresa com a mídia.

TecnoMultimedia InfoComm Brasil escolhe a aboutCOM como consultoria de comunicação para o evento de 2017

Pelo segundo ano consecutivo, a aboutCOM é a agencia de comunicação da TacnoMultimedia InfoComm Brasil, uma das mais conceituadas feiras da indústria de Sistemas Audiovisuais, Automação Residencial, Digital Signage e Comunicações Unificadas do mundo, que desembarca para sua quarta edição brasileira em São Paulo, entre os dias 23 e 25 de maio de 2017, no São Paulo Expo.

O evento, que é realizado pela Latin Press em parceria com a InfoComm International, reúne os principais fabricantes mundiais, bem como os distribuidores regionais, nacionais e empresas integradoras, todos apresentando novidades que vão agitar o setor nos próximos anos. É uma excelente oportunidade para que os profissionais de AV do Brasil aprendam novas técnicas e façam networking com empresas e profissionais vindos de diversas partes do Brasil e do exterior, já que, paralelamente à exposição, serão realizados fóruns de discussão, painéis e congressos sobre temas de interesse.

Os organizadores esperam atingir empresas de áudio, vídeo e iluminação; gerentes e proprietários de grandes instalações; organizadores de eventos de empresas; comunicações e relações públicas; engenheiros elétricos e de som; e designer de áudio e vídeo.

O atendimento da conta na aboutCOM é do Douglas Cruz (douglascruz@aboutcom.com.br), (11) 5096-5401 ramal 203.

Será que você ouviu, de fato, o que o outro disse?

Pode parecer simples, mas comunicar-se é uma das grandes dificuldades da vida.

Por Flavia Sobral

Quando alguém diz algo que – na sua avaliação – é uma ofensa, o que você faz? E quando alguém ‘cisma’ – sob seu ponto de vista – em não entender o que você já disse “mil vezes”, qual a sensação?  Essas questões têm  a ver com os significados que construímos COM nossa comunicação.

Parece complexo, e é. Comunicar-se não é simples. Por mais que a gente o faça até mesmo quando não está literalmente falando, por meio de gestos e expressões faciais, trazemos para os diálogos parte de quem somos e de como vivemos até aqui. O que acontece em nossa vida antes de uma reunião, por exemplo, tem tudo a ver com a forma como vamos agir durante a conversa e como perceberemos a comunicação do nosso interlocutor.

Isso é só uma pequena parcela de um estudo de comunicação que se chama CMM (Cordinated Management of Meaning, ou, em português, gestão coordenada de significados). Há pouco mais de duas  semanas, assisti a um workshop da Linda Blong, uma das maiores especialistas nessa teoria e me apaixonei completamente.

Veja um vídeo da Linda sobre esse tema:

E tem mais conteúdo aqui – desta vez, do papa do CMM, Barnett Pearce:

Por agora, quero apenas deixar uma reflexão: se qualquer fato da vida, como bater o carro, pode influenciar o seu humor de um dia – e às vezes até de uma semana – será que este mesmo fato não influencia na forma como você constrói os significados nos seus diálogos durante esse tempo?