em aboutCOM, Sem categoria

O que a mídia considera – e não considera – notícia

Já faz tempo que jornalistas não veem o lançamento de um produto por si só como algo interessante. É preciso uma nova abordagem

Você já pensou no que chama a sua atenção para ler uma matéria inteira? É isso que deve ser considerado quando se oferece uma notícia para uma publicação, seja revista, jornal ou site. Certamente, o leitor não vai querer dedicar alguns minutos de seu dia – já tão corrido e cheio de afazeres – para dar atenção a algo que está em todos os lugares ou, apenas, conhecer a versão 4 de um determinado produto.

É muito comum que as pessoas que cuidam da comunicação de uma empresa prestem mais atenção no que elas têm para dizer (e o que acham importante) do que naquilo que o outro gostaria de ouvir. Mas, na mídia atual, perceber o que o outro deseja é uma estratégia valiosa e pode resultar em uma publicação ou não na imprensa.

A mídia mudou. Com redações enxutas e dezenas de empresas em busca de divulgação, aparece quem fornecer informação diferenciada que fuja das chamadas óbvias de lançamento de produtos, da chegada de um executivo ao Brasil ou de uma pesquisa já divulgada em outros lugares. É preciso pensar no que está por trás, no conceito do produto lançado, na experiência profissional do executivo que visita o  País: o que ele pode contar que muda a realidade de uma empresa? Como essa ferramenta transforma os negócios? A pesquisa mostra uma tendência?

Os jornalistas recebem, hoje, muitos releases por dia e já não conseguem dar conta de tanta informação – se ela não for relevante, certamente passará batida.

Por exemplo, em vez de um título que foque na nova versão de um produto ou solução, uma abordagem mais assertiva traria um desafio corporativo para, depois, informar sobre uma solução que atende essa demanda.

Nesse sentido, manter um bom relacionamento com o jornalista é essencial – tanto por parte da fonte, quanto da assessoria de imprensa. Com uma relação de confiança, o jornalista dará mais atenção aos seus e-mails e, com certeza, vai procurá-lo quando precisar de uma entrevista ou ajuda em uma matéria.

Sem toda essa avaliação, não há notícia nem comunicação que se sustente.

Imagem: Pixabay

Escreva um comentário

Comentário