em aboutCOM

Entrevistas como estratégia de comunicação: quando e como sugerir

Para ter sucesso com a ferramenta é preciso preparar os porta-vozes e envolver os veículos certos

Não é novidade que uma boa estratégia de comunicação inclui o uso das ferramentas certas, nos momentos adequados e de acordo com o objetivo de posicionamento do cliente em um projeto de assessoria de imprensa. Para construir um relacionamento com a mídia e aumentar a visibilidade da empresa, as entrevistas com jornalistas são, também, importantes aliadas.

O que é?

Considerada uma das principais atividades do meio jornalístico, a entrevista é usada por jornalistas para obter as informações necessárias para concretizar uma pauta. Por outro lado, assessores tentam conseguí-las para posicionar o executivo e fortalecer a empresa. A conversa – sobre um tema relacionado ao universo do cliente, seja diretamente sobre sua marca ou não – pode ser feita por telefone, e-mail ou presencial. Tudo depende do contexto.

Normalmente, os assuntos quentes geram mais entrevistas – pesquisa e dados de mercado ou o lançamento de um serviço/tecnologia inovadora. Para inserir a ferramenta na estratégia de comunicação, é fundamental envolver os veículos que mais têm a ver com o cliente e preparar o porta-voz para transmitir a mensagem da empresa de forma clara, objetiva e concisa.

Pontos Fortes

Mais do que posicionar um executivo, a entrevista dá liberdade para o jornalista fazer perguntas e explorar outros pontos que a assessoria de imprensa pode não ter notado sobre aquele assunto. Assim, as entrevistas se tornam únicas, mesmo que sejam sobre um mesmo tema. Além disso, nas conversas presenciais ou por telefone, o porta-voz tem a oportunidade de passar as informações de forma clara e completa, se adequando ao veículo envolvido.

Pontos Fracos

Existe uma grande expectativa dos clientes em dar entrevistas porque, atualmente, trata-se de algo raro. Com o aumento do volume de dados e o declínio da mídia – especialmente a especializada em tecnologia – os profissionais não têm mais tempo de fazer uma entrevista, preferindo receber as informações “mastigadas” por e-mail. Diante disso, o jornalista perde a chance de se aprofundar no assunto e acaba – muitas vezes – publicando informações pela metade ou, até mesmo, equivocadas.

Além disso, o ambiente da entrevista é menos controlável. Isso quer dizer que um porta-voz despreparado, que fala demais durante a entrevista (veja mais em: Como lidar com clientes que falam demais durante uma entrevista para a imprensa) ou que comete qualquer outro deslize, pode prejudicar a empresa e a estratégia de comunicação pré-estabelecida. A assessoria de imprensa também corre o risco de ter todo o trabalho perdido ao se deparar com um jornalista mal preparado, que produz uma entrevista rasa ou que foge do foco principal.  

Saiba mais:
Press release, nota e sugestão de pauta: quando usar cada uma delas?
O uso de artigos na estratégia de comunicação
Estratégias, planos e ferramentas: a comunicação se constrói em etapas

Escreva um comentário

Comentário